Atenção! Nós não solicitamos depósito antecipado. Isso é crime.

Atenção! A Lendico Brasil não solicita depósito antecipado para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

Faça sua análise

Investimentos a curto, médio e longo prazo: quais são?

17 de março de 2021

8 minutos de leitura

por Lendico

investimento

Cada investimento tem suas características próprias, por isso, é bom entender se o melhor tipo é a curto, médio ou longo prazo

Até alguns anos atrás, a poupança era a maneira mais prática e mais conhecida dos brasileiros, quando o assunto era poupar dinheiro para o futuro. Sabendo que era possível obter algum rendimento enquanto esse dinheiro era deixado lá, quietinho, a opção sem dúvida era a mais atraente.

Contudo, há outras opções, muitas delas já existentes na época onde a poupança reinava solitária, que vem tornando-se mais populares. A internet e os meios de comunicação começaram a produzir conteúdo e desmistificar o assunto, então uma grande variedade de investimentos caíram nas graças de pessoas preocupadas em fazer seu capital prosperar.

Os investimentos de curto, médio e longo prazo são uma realidade, e cada uma delas corresponde ao tempo que o investidor vai levar até ver seu rendimento render.

Quais tipos de investimento você deve direcionar suas economias?

Vamos falar um pouco sobre isso, mas compreenda que tudo depende de seus objetivos e, como sempre falamos por aqui, de um bom planejamento financeiro. Além disso, nada impede de você planejar e investir em mais de uma dessas categorias. Na verdade, essa pode ser uma excelente estratégia para realizar seus sonhos.
Investimento a curto prazo

Se você está dando seus primeiros passos nesse mundo, investimentos de curto prazo tendem a ser mais conservadores, aqueles que não possuem um risco alto de perda financeira, ainda que os rendimentos possam ser menores. Os investimentos de curto prazo possuem um tempo de 1 a 2 anos, geralmente

Alguns tipos de investimentos a curto prazo

A equipe da Lendico selecionou aqui duas das opções mais conhecidas, mas lembre-se que um investidor não necessariamente precisa ter esse perfil conservador do qual falamos. Tudo depende de você entender as opções, os riscos e em qual perfil você se encaixa. Quanto você tem para investir? Esse valor tiraria sua estabilidade financeira? Quanto você está disposto a arriscar?

O que é CDB?

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um dos investimentos de renda fixa mais conhecidos, principalmente por estarem disponíveis em agências bancárias e serem práticos de contratar. Além disso, os valores mínimos de investimento podem chegar a R$500,00.

Quando você contrata um CDB, você está literalmente emprestando dinheiro ao banco, para que ele possa investir e pagar suas operações de créditos. Por essa razão, nada mais justo que o banco lhe devolver esse investimento com juros, como em qualquer operação de empréstimo. Esses juros são os rendimentos que o seu CDB vai lhe proporcionar. Ainda que o CDB seja oferecido pelos bancos, saiba que também podem ser encontrados em seguradoras e demais instituições financeiras. Sua operação é garantida pelo Fundo Garantidor de Crédito, então caso a instituição financeira encerre suas atividades, seus investido será assegurado, no limite de R$250.000,00.

O CDB é um investimento de vencimento, o que significa que o maior rendimento possível será alcançado caso você honre o período a que se propôs. Não significa que você não possa resgatar seu dinheiro antes, mas saiba que nesse caso o retorno não será tão lucrativo. Pesquise bastante antes de escolher a instituição, porque algumas podem permitir o resgate antes do vencimento, enquanto outras não.

Optando por um CDB, procure também saber qual o percentual do CDI que o seu título irá render. O CDI é a taxa mais utilizada para analisar a rentabilidade e retorno bancário. Se um CDB rende, por exemplo, 150% do CDI ao ano, significa que se mantiver seu dinheiro investido, ao final desses 12 meses você terá um retorno de 150% do que o CDI tiver de rendimento.

Poupança

Aqui estamos falando da opção preferida dos brasileiros. A poupança é uma escolha comum por ser prática, rápida e segura, ainda que tenha um dos rendimentos mais baixos que existem.

Uma outra característica importante é a liquidez e isso traz muita segurança às pessoas, principalmente as que não compreendem por completo o funcionamento das modalidades de investimento. Com o dinheiro na poupança o resgate é imediato. Não existe contrato que impeça, assim como não há multa. Logo, a poupança parece uma conta corrente que traz o benefício de render um pouquinho todo mês. Assim como em outros investimentos, quanto mais você tem investido, mais você tem em rendimento.

Quando se diz poupança, não podemos deixar de falar de sua maior inimiga: a inflação. Ela é a responsável por diminuir o poder de compra do dinheiro que rende na conta. Se você possui algum valor e a inflação sobe mais que o rendimento, você tem a impressão de que está ganhando, mas na verdade o seu dinheiro no mercado menos, entende? Por isso, vale analisar a estabilidade inflacionária e então decidir se não é o momento de migrar suas economias para outra modalidade.

Investimento a médio prazo

Aqui estão os investimentos que vão de 3 a 5 anos, em média. Nesse caso estamos falando de opções onde você não tem tanta pressa ou necessidade de liquidez imediata, além de poder optar por tirar proveito de taxas de juros mais altas, que farão seu capital render mais.

Aqui estão duas das mais comuns:

Tesouro Direto, como funciona?

Assim como os CDBs, os títulos do Tesouro Direto também se trata de você emprestando dinheiro e recebendo juros em troca, mas no caso do tesouro, o seu dinheiro contribui para que o Governo Federal administre a dívida pública. Em contrapartida, você recupera seu investimento com rendimentos em formato de juros que podem ser muito lucrativos, principalmente se você mantiver seu planejamento em dia e aguardar o fim do contrato estabelecido. Em alguns tipos de títulos, optar por resgatar antes pode gerar perdas.

Existem alguns tipos de papéis do tesouro direto como o Tesouro Selic, que acompanha a taxa básica de juros da economia e o Pré-fixado, onde se estabelece desde o início o retorno que ele terá no final.

Assim como o CDB, o Tesouro Direto também é garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito em um limite de até R$250.000,00 e dá pra adquiri-los fazendo seu cadastro no Tesouro Direto. Para isso, basta entrar em contato com um banco ou operadoras de crédito.

Fundos multimercado

O fundo multimercado não se enquadra nas modalidades que vimos até agora, já que aqui estamos falando da possibilidade de você diversificar sua carteira de investimento em uma só operação. O fundo multimercado envolve investimentos de várias pessoas distintas, como em um grupo, mas que possuem o mesmo perfil.

Os fundos multimercados possuem exposição ao risco, podendo ser de moderado a agressivo, a depender das suas opções e do seu perfil. No entanto, os rendimentos permanecem superiores ao CDI e você tem a vantagem de ter gestão profissional envolvida.

Investimentos a longo prazo

Por fim chegamos aos principais investimentos de longo prazo. Aqueles que demandam um planejamento muito bem calculado, para que você não precise passar apertos no meio do caminho.

Ações

As ações, também chamadas de “papéis”, representam uma parte do capital social de uma empresa. Isso significa que ao comprar uma ação, você está comprando uma parte de uma empresa terceira e tornando-se sócio dela.

Comprar uma ação de uma empresa presente na Bolsa de Valores, garante menos burocracia e permite que você possa se manter ali, dependendo da flutuação do mercado e da performance daquela empresa, ou simplesmente vender e migrar seus investimentos para outras empresas.

Oscilações de mercado acontecem o tempo todo, por isso as ações requerem um poder maior de análise do mercado. Da parte de quem investe, ou ainda dos administradores que você pode ter estando em corretores de investimentos, por exemplo.

Fundos de investimentos imobiliários

O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) é semelhante aos fundos multimercados, que falamos acima. A diferença é que com o FII você investe em múltiplos imóveis, comerciais ou residenciais, físicos ou em papel. Com esse tipo de investimento você dilui os riscos que teria se, por exemplo, pegasse suas economias e investisse em apenas um imóvel, como em um shopping center.

Também como acontece em outros fundos, o FII reúne outros investidores como o mesmo perfil que o seu, normalmente geridos por um profissional autorizado a incluir ou excluir imóveis listados neste fundo.

Aposentadoria pode ser um bom investimento?

Ao falarmos de investimento na aposentadoria, não estamos falando de um único tipo de investimento. Na verdade, a aposentadoria reúne uma série de questões importantes, partindo da definição de prazo e metas, valores a serem investidos, disciplina e planejamento.

A partir desses fatores, um ou mais tipos de investimento podem ser escolhidos para integrar o planejamento de aposentadoria, inclusive todos esses que resumimos aqui para você.

Se quiser saber um pouco mais sobre poupar dinheiro e definir metas para a sua aposentadoria, preparamos aqui um conteúdo bastante prático sobre o assunto.

Cadastre-se na nossa newsletter:

Email:
Nome:

Além disso, se ficou com mais alguma dúvida sobre o assunto? É só nos contar aqui nos comentários. E, não deixe de seguir a Lendico nas redes sociais para ficar por dentro de como melhor sua saúde financeira.

Artigo anterior

proxímo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *