Atenção! Nós não solicitamos depósito antecipado. Isso é crime.

Atenção! A Lendico Brasil não solicita depósito antecipado para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

Faça sua análise

Dívidas maiores que os gastos fixos: o que fazer?

03 de agosto de 2016

5 minutos de leitura

por Lendico

E, então? Suas dívidas estão maiores do que os seus gastos fixos (moradia, saúde, transporte, alimentação)? Leia abaixo as dicas que preparamos para mapear os seus rendimentos mensais, a fim de colocar o seu orçamento em dia e não sofrer com os juros cumulativos!

1. Planilha de organização financeira

Para mapear o seu rendimento mensal, e analisar o quanto as suas dívidas estão consumindo-o, você precisa de um planejamento. Por que? Com o auxílio da planilha, você pode classificar os seus gastos por fixos – referentes à casa, moradia, saúde, transporte e dívidas – e variáveis, sendo esses relacionados ao seu estilo de vida. Por exemplo, você pode ir ao cinema duas vezes nesse mês, contudo, no próximo ir nenhuma. Esse tipo de gasto é variável.

2. Você sabe o Custo Efetivo Total de cada uma?

Com o mapeamento do seu rendimento mensal e o planejamento financeiro feito, você terá uma visão clara das suas dívidas e gastos fixos e variáveis. Com isso, você precisa saber quanto falta para liquidar cada compromisso financeiro pendente. As parcelas das dívidas ultrapassam o seu rendimento? Se sim, você deve começar cortando os variáveis, conforme o último exemplo. Lembre-se: essa medida é para ajudá-lo a colocar as suas dívidas em dia e não durará para sempre se não tiver a disciplina necessária. Para isso, você precisa avaliar o Custo Efetivo Total (CET) e não apenas a taxa de juros.

3. Você precisa cortar todos os seus gastos supérfluos

Os gastos supérfluos são os variáveis e eles são os vilães de todo planejamento financeiro. Por serem variáveis, nem sempre podemos antecipá-los, contudo, podemos evitá-los. Para isso, você deve se fazer duas perguntas básicas antes de adquirir qualquer item que não esteja no planejamento:

  • De 0 a 10, qual a necessidade imediata desse produto? Essa é simples: se for menos que 5, a necessidade não é imediata; se for entre 6 e 8, você pode considerar juntar mais dinheiro e comprar no próximo mês; agora, se estiver entre 9 e 10, não há como discutir a necessidade, contudo, nessa hora vale avaliar todas as pessoas, a fim de adquirir a que mais encaixa no seu bolso.
  • Você possui a quantia para comprá-lo à vista ou parcelado? Se for parcelado, em quantas vezes? As parcelas mensais estão dentro do seu orçamento ou extrapolam a quantia máxima dos seus gastos variáveis?

4. Lembre-se: não tenha desculpas para usar o cartão de crédito

Um dos principais vilões do orçamento, caso a pessoa não tenha uma boa gestão financeira, é o cartão do crédito acompanhado dos juros rotativos. Por quê? Caso não tenha disciplina com o seu rendimento mensal e, não consiga pagar sempre o total da fatura, as dívidas dele podem virar uma bola de neve ainda pior. Por isso, não use o cartão de crédito como desculpas para acumular milhas e economizar na próxima viagem de férias ou algo do tipo.

Bônus: Aproveite as promoções e não compre por impulso

Pode parecer sempre bom, mas nem sempre comprar na promoção é um bom negócio. Adquirir um produto mais barato só pelo fato de não estar em oferta pode prejudicar as suas finanças e te deixar endividado. Mas como aproveitar as promoções do jeito certo? A gente separou algumas dicas de como aproveitar as ofertas sem estourar o cartão de crédito ou o cheque especial.

Questione, “eu preciso disso? ”. Essa é a principal pergunta que deve ser respondida, mesmo quando a promoção é muito boa. Se a resposta for não, deixe para lá. Muitas vezes as compras por impulso são as grandes culpadas pelos problemas nas finanças e atrapalham naquela meta de guardar dinheiro que nunca é atingida.

Descobrir o seu perfil financeiro pode ajudar nessa etapa! Faça o teste!

Acompanhe o preço do produto para não acumular dívidas

Aproveite as ferramentas de comparação de preços na internet e acompanhe o que você quer comprar por um tempo. Assim você saberá o valor médio da mercadoria e terá certeza que a promoção é de verdade.

Compre depois das datas comemorativas

Natal, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças e Dia dos Namorados são as principais datas do comércio. Aproveite para comprar logo depois, quando o comércio costuma fazer promoções para renovar o estoque.

No caso de vestuário, fique atento às trocas de coleção, geralmente no fim das estações.

Evite o cartão de crédito

Se o produto estiver com um preço bom e for indispensável a compra naquele momento, tudo bem parcelar. Mas, se não existe tanta pressa, guarde o dinheiro e tente pagar à vista. O desconto, mesmo na promoção, é sempre maior.

Compare

Consulte sites que comparam preços para o item que você deseja em diferentes lojas, assim você terá maiores referências das oscilações de valor ao longo do ano e saberá se, de fato, está fazendo um bom negócio.

Defina limites das dívidas

Analise seu orçamento e determine um teto para os seus gastos com as promoções, sempre priorizando itens que são realmente necessários. Lembre-se que o valor não pode fazer falta mais à frente quando os boletos chegarem.

Aproveitou a Black Friday?

A gente já falou sobre os perigos que a Black Friday pode trazer, mas se um produto que você realmente precisou estava na promoção,foi bom ter aproveitado.

Evite o shopping e dê fim às dívidas

Se você está com o dinheiro contato e não se controla muito, evite usar o shopping como lazer. Prefira locais como parques para passar o tempo. É mais saudável e faz bem para o bolso.

Por fim, se você quer tirar mais alguma dúvida deixe nos comentários para nossa equipe.

Cadastre-se na nossa newsletter:

Email:
Nome:

Artigo anterior

proxímo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *