Atenção! Nós não solicitamos depósito antecipado. Isso é crime.

Atenção! A Lendico Brasil não solicita depósito antecipado para a liberação do empréstimo. Isso é crime.

Faça sua análise

Cheque especial: juro sobe e atinge novo recorde

27 de julho de 2016

1 minuto de leitura

por Lendico

cheque-especial-juro-sobe-e-atinge-novo-recorde.jpg

Cheque especial subiu mais uma vez em junho e isso já não é mais surpresa para os brasileiros. A taxa média de juros cobrada pelos bancos nessa modalidade de aumentou mais uma vez, de acordo com o Banco Central (BC), nessa quarta-feira, dia 27. Mas tivemos uma surpresa: a taxa do cartão de crédito recuou, ficando em 470,9% ao ano.

Os juros aumentaram?

Sim, os juros do cheque especial subiram, atingindo em junho 315,7% ao ano! A taxa em maio era de 311,5% ao ano. Com isso, a modalidade de crédito pessoal tem a sua maior taxa desde julho de 1994 – quase 22 anos. Como os nossos leitores já sabem, os juros do rotativo do cartão de crédito, seguidos pelos do cheque especial são os mais altos do mercado, respectivamente.

Como fugir dos juros do cheque especial?

Empréstimos nessas modalidades, indicam os especialistas, só devem ser utilizados em momentos de emergência e por um prazo curto. A recomendação da Lendico é que os clientes paguem toda a sua fatura do cartão no vencimento, não deixando saldo devedor, o famoso crédito rotativo (saiba mais aqui).

E as outras linhas de crédito?

As operações para pessoas físicas (sem considerar o empréstimo pessoal consignado), registraram em junho uma taxa média de juros de 128,3% ao ano. Em maio, essa taxa estava em 129,8%, diferença de 0,5 pontos percentuais. Já a modalidade de crédito consignado registrou uma taxa média de juros de 29,4% ao ano em junho.

E a inadimplência com essa taxa de juros?

O BC divulgou que a taxa de inadimplência das pessoas físicas nos empréstimos bancários registou 6,1% em junho. Foram medidos os atrasos nos pagamentos acima de 90 dias. A taxa em maio era de 6,3% em maio. Já em relação aos juros bancários, os números do Banco Central mostram as taxas cobradas das pessoas físicas recuaram 0,3 ponto percentual em junho, para 71,4% ao ano.

Artigo anterior

proxímo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *